Adotar uma estratégia de Compensação de Carbono é ideal para uma empresa

Chegar ao Carbono “zero” é uma estratégia ganha-ganha para a empresa e para o clima.

Quando confrontada com questões climáticas, a primeira resposta de uma organização deve ser avaliar a pegada de carbono de seu produto e compreender o seu impacto.

As consequências das mudanças climáticas tornaram-se cada dia mais aparentes e afetam todos na nossa sociedade.

A opinião pública chegou a um ponto em que é difícil justificar “negócios como de costume” e muitas organizações são pressionadas a encontrar soluções. Por exemplo, “flight-shaming” e o European Green Deal ( European Commission 2019) representam uma ameaça ao modelo de negócios das companhias aéreas. 

A Comissão Europeia adotou um conjunto de propostas legislativas com o objetivo de tornar as políticas da UE em matéria de clima, energia, transportes e fiscalidade aptas para alcançar uma redução das emissões líquidas de gases com efeito de estufa de, pelo menos, 55 % até 2030

Em meio a muito alarde, a maioria das principais operadoras está estudando ou já adotando abordagens que estão amplamente alinhadas com o processo de três etapas “medir, reduzir, compensar” delineado na iniciativa Climate Neutral Now das Nações Unidas ( Nações Unidas 2020), comprometendo-se essencialmente a operar voos “net-zero” no curto prazo. 

Segundo o World Resources Institute (WRI/CAIT), o Brasil figura entre os 10 maiores emissores de CO2, sendo a agricultura (no qual se inclui alterações no uso do solo e desflorestamento) o setor que mais contribui com emissões.

Nesse contexto, certamente, o Brasil será pressionado para adotar ações claras para reduzir a emissão de CO2, sob pena de não acessar o mercado Europeu. Para além da agropecuária, para continuar sendo um importante ator econômico no cenário internacional, produtos intensivos em energia, como cimento e aço, terão que aumentar a utilização de fontes renováveis em sua produção, visando a progressiva transição para uma matriz energética mais limpa.

A preocupação também abrange investidores privados, como evidencia o recente episódio envolvendo entidades gestoras de fundos de investimento estrangeiros, que solicitaram ao Governo brasileiro esclarecimentos sobre sua política ambiental para proteção das florestas e, especificamente, da Amazônia.

Da mesma forma, a indústria automotiva deve encontrar urgentemente maneiras de substituir os motores de combustão para atender à crescente demanda por veículos de baixa emissão e metas de emissões mais rigorosas.

Os fabricantes de automóveis em todo o mundo estão correndo para trazer veículos elétricos ao mercado a preços razoáveis.

Está evidente e é resultado de muitas pesquisas  que os consumidores têm preocupações com o clima e que a cobertura da mídia sobre as mudanças climáticas motiva os consumidores a tomar decisões de consumo mais sustentáveis ​.

Calcular as pegadas de carbono do produto – o impacto climático por unidade de produto em emissões de dióxido de carbono equivalente (CO2 eq) – agora é uma prática comum, e essas pegadas são rotineiramente certificadas com base em padrões internacionais de contabilidade. 

É importante ressaltar que a redução da pegada de carbono do produto tem um efeito de custo devido à mudança no custo unitário para produzir um produto mais verde e um efeito de demanda devido às preocupações dos consumidores com o clima.

Compensação de carbono

Embora a produção de um produto verde seja talvez o meio mais óbvio para uma empresa atingir a neutralidade climática, uma alternativa cada vez mais popular é adotar uma estratégia de compensação em que a pegada de carbono corporativa seja totalmente compensada (financiando projetos que alcancem um nível equivalente de dióxido de carbono economia), criando assim uma pegada de carbono corporativa líquida zero. 

Embora a compensação de carbono não seja indiscutivelmente a solução para as mudanças climáticas, ela permite que as empresas alcancem a neutralidade climática mesmo que a tecnologia de produção disponível ainda não o permita. Em princípio, qualquer empresa pode chegar a zero comprando serviços de compensação (apoiando projetos ambientais que promovem o plantio de árvores, energia renovável, etc.) de fornecedores como a Eccaplan.

Regulamento de Carbono

Os reguladores tentam cada vez mais limitar as emissões de carbono das empresas para cumprir as metas climáticas e lidar com as mudanças climáticas. Os exemplos mais recentes incluem o Green New Deal nos Estados Unidos e o European Green Deal, que abordam as mudanças climáticas através da introdução de várias intervenções regulatórias. Mostramos como uma empresa deve responder aos limites de carbono, sistemas de limite e comércio e impostos de carbono, que são de longe as intervenções regulatórias mais comuns hoje (Banco Mundial, 2015 ), e estudar seu impacto na lucratividade esperada da empresa.

Embora os detalhes institucionais dessas intervenções variem entre setores e legislações, nos concentramos em suas características principais e mostramos que o risco de regulamentação acelera os investimentos em tecnologia verde.

Em contraste com um mercado de monopólio, preocupações climáticas mais fortes em um mercado competitivo reduzem não apenas a pegada de carbono do produto, mas também a pegada de carbono corporativa de cada empresa. Como resultado, as emissões da indústria são mais baixas quando os consumidores têm maiores preocupações com o clima. 

Se for possível reduzir a pegada de carbono do produto e reduzir custos, eliminar o desperdício (por exemplo, melhorar a gestão de energia) e ajustar o preço é a consequência óbvia. 

Se o efeito da demanda de fabricar um produto mais ecológico leva a uma pegada de carbono corporativa maior, os profissionais de marketing enfrentam a desagradável decisão de tornar o produto mais marrom (o que diminui seu apelo) ou aumentar seu preço (o que diminui o acesso). 

Por exemplo no Automotive Business, que adquiriu o Selo Evento Neutro para a realização do evento #ABPlan sobre planejamento automotivo, adotandoa neutralização de carbono para o #ABPlan, tornando este evento ainda mais sustentável.  Todas as emissões de gases de efeito estufa são devidamente quantificadas e uma ação de compensação ambiental (neutralização) é realizada na mesma proporção.  A Kaynã empresa de alimentos sustentáveis recebeu o Selo Frete CO2 Neutro, por assumir o compromisso de reduzir, quantificar e compensar as emissões de CO2 provenientes de suas entregas.

Solução Eccaplan

Na Eccaplan vamos além da compensação de carbono, sabemos que um conjunto de ações ambientais para a empresa é o caminho para se tornar mais sustentável. Auxiliamos as empresas nas compensações de carbono e oferecemos incentivos e consultorias para as empresas investirem em tecnologias mais verdes e ações de sustentabilidade gerencial e ações da agenda ESG.

O que fazer:

A compensação de carbono é viável porque as emissões de carbono são um problema ambiental global (e não local). Projetos que resultam em compensações de carbono tendem a se concentrar em energia renovável (como a construção de parques eólicos que substituem as usinas a carvão) ou sequestro de carbono em solos ou florestas (como atividades agroflorestais e plantio de árvores). 

A empresa compra compensações de carbono para atingir uma pegada de carbono corporativa líquida zero e tem como resultado: oferecer um produto neutro para o clima, mesmo que sua pegada de carbono seja positiva. 

É ótimo para as empresas chegarem a zero carbono se o custo de compensação for suficientemente baixo em relação ao efeito de aumento da demanda de redução da pegada de carbono do produto para zero carbono. Nesse caso, chegar ao “zero” é uma estratégia ganha-ganha para a empresa e para o clima.

O projeto de produto, logística maximiza o lucro a partir de uma perspectiva de bem-estar, complementando efetivamente a motivação do lucro da empresa com respeito ao meio ambiente e justiça social

Carbono Zero

Fontes:

Bertini M, Buehler S, Halbheer D, Lehmann DR. Carbon Footprinting and Pricing Under Climate Concerns. Journal of Marketing. July 2020.

European Commission (2019), “A European Green Deal,” (accessed May 8, 2020)

United Nations (2020), “Climate Neutral Now,”.

Whitmarsh, Lorraine, Capstick, Stuart (2018), “Perceptions of Climate Change,” in Psychology and Climate Change, Clayton, S., Manning, C., eds. Cambridge, MA: Academic Press, 13–33.

Greenhouse Gas Protocol (2011), “Corporate Value Chain (Scope 3) Accounting and Reporting Standard,”

Pacto Ecológico Europeu | Comissão Europeia (europa.eu)

Acordo alemanha Amazônia Aquecimento Global Bicicleta Brasil Carbono Ciclovia Clima CO2 COP21 Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Efeito Estufa Emissões Emissões de GEE Energia Energia Eólica energia limpa Energia Renovável Energia Solar GEE Iniciativa Inovação inventário de emissões Lixo Meio Ambiente Mobilidade Mudanças Climáticas Mundo neutralização de carbono Noticias Notícia ODS ONU Poluição Reciclagem Rio de Janeiro sustentabilidade São Paulo Tecnologia Telhado Verde Transporte Sustentável Água Árvores