Pegada de carbono, Lucratividade e Questões Climáticas

A redução das emissões de gases de efeito estufa está na agenda mundial há décadas (197 nações se comprometeram formalmente a reduzir as emissões de carbono na Cúpula da Terra no Rio de Janeiro em 1992). Mas a opinião pública chegou a um ponto em que está se tornando cada vez mais difícil justificar o “business as usual”.

Os profissionais de marketing desempenham um papel fundamental aqui, porque representam a voz dos consumidores entre as partes interessadas internas. Eles percebem e medem as mudanças nas preferências do consumidor e defendem essas tendências emergentes em suas empresas.

Há também um segundo elemento em jogo na busca pela neutralidade do carbono: as preocupações com o clima reduzem a lucratividade.

Em ambos os aspectos, o papel dos profissionais de marketing é crucial: eles canalizam as preocupações climáticas de volta para a empresa, junto com seu impacto no design e preços do produto, o impacto climático da empresa, a lucratividade da compensação de carbono, responsabilidade social corporativa e tecnologia verde adoção. 

Com uma competência tão ampla, os gerentes que estão equilibrando as preocupações dos consumidores com o clima com as metas de negócios das partes interessadas devem seguir estas três etapas:

1. Calcule uma pegada de carbono

A cobertura da mídia sobre as mudanças climáticas, especialmente a necessidade de reduzir a pegada de carbono de uma organização, é mostrada para motivar os consumidores a tomar decisões de consumo mais sustentáveis.

Seguindo uma imprensa particularmente negativa, o setor de aviação tornou-se muito público em seu compromisso com a compensação de carbono. A EasyJet afirma compensar as emissões de carbono do combustível para cada um de seus voos e a British Airways promete o mesmo para todos os seus voos domésticos. Nos Estados Unidos, a JetBlue é a primeira grande companhia aérea a se comprometer a atingir o valor líquido zero.

A experiência das companhias aéreas se traduz em uma vasta gama de organizações nos setores de manufatura e serviços.

Medir o impacto climático de seus produtos ou serviços em emissões equivalentes de dióxido de carbono é uma métrica poderosa e muito alinhada com a abordagem “medir, reduzir, compensar” da ONU em sua iniciativa Climate Neutral Now.

2. Diminua a pegada, aumente o preço

Mudanças na pegada de carbono podem aumentar os custos, mas também podem aumentar a demanda. Se o efeito de aumento da demanda de redução da pegada de carbono de um produto supera a redução geral da pegada de carbono, a empresa pode ser vítima de seu próprio sucesso. 

A empresa poderia comprar compensações de carbono, mas isso teria um impacto adicional na lucratividade. 

Para se tornar “Carbono Zero”, pode ser ideal aumentar o preço do produto a fim de oferecer um produto neutro para o clima. Nesse caso, chegar ao Carbono zero é uma estratégia ganha-ganha: o impacto climático diminui, o lucro aumenta.

Já abordamos sobre A importância de um Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estuda

Medir as emissões de carbono pode trazer diversos benefícios para o próprio negócio não restritos às questões ambientais, as vantagens são, inclusive, legais e econômicas.

Pensar na sustentabilidade, em vários casos, pode ser sinônimo de maior competitividade e melhor imagem da marca no mercado. Veja a seguir algumas razões para fazer um inventário de emissões de gases de efeito estufa.

3. Seja proativo com o design do produto

As preocupações dos consumidores com o clima fornecem um incentivo para que as empresas produzam produtos mais verdes. 

Mas a regulamentação governamental do uso do carbono no design industrial com intervenções de mercado, como limites de carbono (contabilidade e política baseada no consumo), sistemas de limite e comércio (regulamentações que limitam os níveis de emissão industrial) e impostos sobre carbono reduzem a lucratividade.

No entanto, embora existam custos associados às regulamentações climáticas, eles também podem apresentar oportunidades. Investir em tecnologias verdes pode reduzir o custo de conformidade e também gerar receita com a venda da tecnologia desenvolvida.  

As preocupações com o clima não vão desaparecer. 

As empresas – e especialmente os profissionais de marketing – devem estar no centro do movimento para produzir produtos que poluem menos, sejam os incentivos provenientes do altruísmo ou do efeito de aumento da demanda de uma oferta mais verde. 

O que eles não podem fazer é continuar a desviar o olhar.

Solução Eccaplan

A ECCAPLAN tem por objetivo auxiliar organizações na gestão da sustentabilidade, fornecendo um diagnóstico de suas atuações socioambientais, analisando riscos e oportunidades para cada negócio, a fim de melhorar a performance das organizações sob a ótica das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil e do mundo.

Realizamos Inventários de Emissões utilizando a metodologia GHG Protocol e auxilio na renovação do licenciamento ambiental para CETESB.

Além de relatórios de sustentabilidade nas diferentes diretrizes como: GRI – Global Reporting Initiative, ISE – Índice de Sustentabilidade Empresarial e CDP – Carbon Disclosure Project.

Ah, se ainda tiver alguma questão que não foi esclarecida abaixo, você pode entrar em contato direto com a gente pelo inventario@eccaplan.com.br

Carbono Zero

Fonte:

Bertini, M., Buehler, S., Halbheer, D., & Lehmann, D. R. (2020). Carbon Footprinting and Pricing Under Climate Concerns. Journal of Marketing, 0022242920932930.

Acordo alemanha Amazônia Aquecimento Global Bicicleta Brasil Carbono Ciclovia Clima CO2 COP21 Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Efeito Estufa Emissões Emissões de GEE Energia Energia Eólica energia limpa Energia Renovável Energia Solar GEE Iniciativa Inovação inventário de emissões Lixo Meio Ambiente Mobilidade Mudanças Climáticas Mundo neutralização de carbono Noticias Notícia ODS ONU Poluição Reciclagem Rio de Janeiro sustentabilidade São Paulo Tecnologia Telhado Verde Transporte Sustentável Água Árvores