A adoção de práticas sustentáveis no seu E-commerce é fundamental para o Desenvolvimento Sustentável

Como adotar a sustentabilidade no seu e-commerce? Os esforços de Marketing Verde dos varejistas desempenham um papel importante na transformação da consciência ambiental em um comportamento de compra.

Adotar práticas Sustentáveis Implica a empresa se posicionar diante de um Mercado Globalizado de valor (não estritamente focado em compradores e vendedores, mas também a sociedade, o que implica que as empresas se envolvem em ações sociais beneficiando as comunidades locais, sociedade onde a Empresa está inserida.

A empresa deve possuir pilares do Comportamento ambiental responsável (o que implica redução danos ao meio ambiente natural),

Práticas de negócios sustentáveis e acessíveis (implicando valor criado para todas as partes interessadas – mesmo os marginalizados ou desfavorecidos),

Consumo sustentável (implicando as operações éticas de empresas e correntes de alimentação necessárias para consumo e ser tão ético quanto possível),

Qualidade de vida e bem estar, o que implica o papel positivo das empresas para os consumidores e sociedade.

Importância da Sustentabilidade no E-commerce

O volume global de encomendas atingiu 87 bilhões em 2018, com 9,3 bilhões de encomendas entregues na Europa (Ecommerce News, 2019). Segundo matéria do InfoMoney (2020), o Faturamento das vendas online cresce 41% no Brasil em 2020.

Com mais de 300 milhões de pedidos e faturamento recorde, 2020 pode ser considerado o ano do e-commerce no Brasil. A compra online, que já era uma tendência, foi acelerada pela pandemia causada pelo novo coronavírus, que afastou os consumidores das lojas físicas. Quem não vendia online precisou se adaptar, e quem já vendia intensificou os investimentos no canal.

Mais do que um crescimento isolado, os dados de e-commerce no Brasil mostram que esse aumento veio para ficar. No primeiro trimestre de 2021, as vendas tiveram alta de 57,5% em relação ao mesmo período em 2020. E os consumidores também estão gastando mais: houve aumento de 9,4% no valor do ticket médio em comparação com o primeiro trimestre do ano anterior.

Para entender mais a fundo esse crescimento das compras online no país, reunimos neste artigo os principais dados de ecommerce no Brasil em 2020 e 2021. Os dados são da NeoTrust, que faz relatórios e análises de dados do comércio eletrônico no país, e do PayPal.

Os volumes de encomendas continuam a aumentar junto com o crescimento do volume de negócios do e-commerce nas transações entre empresas e consumidores. Em 2019, o e-commerce expandiu 11% globalmente (E-commerce Foundation, 2019) e 13% na Europa (E-commerce Europe, 2019). 

Sem intervenção, o Fórum Econômico Mundial prevê que o número de entregas nas cem maiores cidades ao redor do mundo crescerá 36% até 2030. Como consequência, as emissões aumentarão em 32% e o congestionamento em 21%, acrescentando mais onze minutos para os deslocamentos diários dos habitantes.

As melhorias ambientais muitas vezes dependem de medidas de eficiência que também provam ser economicamente benéficas.

Os efeitos colaterais ambientais negativos do transporte incluem a emissão de poluentes globais e locais, congestionamento, acidentes e ruído.

Para a compra online nos Estados Unidos, foi feita uma avaliação do ciclo de vida do produto, descobrindo que a entrega a domicílio constitui 32% das emissões de carbono.

Com base na análise do ciclo de vida de cinco métodos de varejo online de bens de consumo de movimento rápido no Reino Unido, a entrega contribui em média 47% para a pegada de carbono total.

Um estudo de caso do varejista americano demonstra que as emissões associadas à entregas domiciliares multiplicam aquelas emitidas pelas operações de transporte restantes.

Para a compra online de eletrônicos na Itália, descobriram que as entregas domiciliares produzem mais da metade das emissões de gases de efeito estufa por pedido.

Em resposta a este “desafio das entregas domiciliares”, muitas soluções são propostas, testadas e implementadas para aumentar a sua eficiência e consequentemente, reduzir custos e danos ambientais. 

As soluções podem ser categorizadas de duas formas de trabalho: primeiro, tomando medidas operacionais e, segundo, influenciando os consumidores online a adotarem comportamentos mais sustentáveis.

“Uma série de atividades e processos que são necessários para o processo de entrega desde o primeiro ponto de trânsito até o ponto final de entrega de a cadeia de entrega”

Pode ser visto a partir de três perspectivas representadas por vários stakeholders: 

Do lado da demanda (demanda por bens comprados online, representada por clientes individuais e empresas, instituições), abastecimento (entrega de bens comprados online, representada principalmente por empresas de correio expresso e encomendas – CEP e serviços de comércio eletrônico, produtores e lojas online) e seu ambiente físico regulado pela prefeitura 

Cada parte interessada da logística da cidade no campo das entregas domiciliares tem suas próprias preferências e expectativas. 

Como funciona esse processo:

O consumidor escolhe aquelas empresas (varejistas) que entregam mercadorias mais rápido e mais barato do que outras, as autoridades (governo local) colocam o bem de todos os residentes acima das necessidades individuais das empresas, as empresas de transporte se concentram em custos de entrega baixos, muitas vezes ignorando poluição ambiental ou problemas de congestionamento e serviços de comércio eletrônico (transportadores) competem para satisfazer as necessidades individualizadas dos clientes.

Para resolver esses problemas, é necessária uma abordagem sustentável para a logística das entregas domiciliares, considerando a perspectiva das principais partes interessadas (governo local, transportadores e varejistas, residentes, destinatários (e-clientes), empresas de transporte / correio, expresso, empresas de encomendas (CEP)).

A sustentabilidade passa a ter um papel cada vez mais importante no mundo moderno. Pode ser definido como “atender às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender às suas próprias necessidades” ( Nações Unidas, 1987 ).

Além disso, as Empresas devem ter responsabilidade em relação ao seu impacto ambiental e ao processo de mudança em que a exploração de recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional são feitas de acordo com as necessidades futuras e presentes.

Assim, pode-se presumir que a entrega sustentável no mercado de E-commerce nas cidades diz respeito ao planejamento, implantação, coordenação e controle de processos em áreas urbanizadas relacionados à entrega de mercadorias adquiridas online com as informações acompanhadas, de forma reduzir custos, diminuir a degradação ambiental e aumentar a segurança rodoviária, obtidos a partir de um compromisso desenvolvido entre as diversas preferências dos stakeholders.

Meios de compensação estão se tornando mais populares nas entregas domiciliares no mercado de comércio eletrônico. 

Por meio do desenvolvimento de uma estrutura para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Programa Frete CO2 Neutro

A inclusão de objetivos de desenvolvimento sustentável – sociais, econômicos e ambientais em soluções de logística contribui na perspectiva de várias partes interessadas, como consumidores, stakeholders e sociedade.

O impacto negativo das mudanças climáticas potencializadas pela atividade humana, tendências na redução de GEE, implementação de carros híbridos e elétricos, forte motivação para escolher formas alternativas de entrega com base nas propostas das empresas e comportamento do consumidor ,

Adotar o modelo do Frete Neutro no seu e-commerce, contribui para a imagem e ganhos ambientais potenciais significativos, o que consequentemente aumenta ainda mais o volume de encomendas.

Serviços de logística “orientados para a sustentabilidade”, entregas eficientes e sustentáveis ​​também economizam custos.

Fontes: 

Kiba-Janiak, M., Marcinkowski, J., Jagoda, A., & Skowrońska, A. (2021). Sustainable last mile delivery on e-commerce market in cities from the perspective of various stakeholders. Literature review. Sustainable Cities and Society, 102984.Rai, H. B., Broekaert, C., Verlinde, S., & Macharis, C. (2021). Sharing is caring: How non-financial incentives drive sustainable e-commerce delivery. Transportation Research Part D: Transport and Environment, 93, 102794.

Neotrust

Acordo alemanha Amazônia Aquecimento Global Bicicleta Brasil Carbono Ciclovia Clima CO2 COP21 Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Efeito Estufa Emissões Emissões de GEE Energia Energia Eólica energia limpa Energia Renovável Energia Solar GEE Iniciativa Inovação inventário de emissões Lixo Meio Ambiente Mobilidade Mudanças Climáticas Mundo neutralização de carbono Noticias Notícia ODS ONU Poluição Reciclagem Rio de Janeiro sustentabilidade São Paulo Tecnologia Telhado Verde Transporte Sustentável Água Árvores