Motivos para implementar iniciativa ESG na sua Empresa

Inicie o Ano com o planejamento ESG em pauta.  já na pauta da sua Estratégia.

Recentemente, questões de sustentabilidade, incluindo responsabilidade social corporativa (RSC), têm se tornado cada vez mais questões de importância vital para as Empresas. 

Os países estão adotando os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) e isso tem refletido em ações voltadas à Responsabilidade Social Corporativa (RSC).

O compromisso europeu de promover uma economia sustentável tornando-se o primeiro continente neutro para o clima é fundamental. Essa decisão de adotar novas políticas públicas incentiva as empresas a se moverem em direção a compromissos mais substanciais com a RSC.

A adoção de uma proposta de Diretiva de Relatório de Sustentabilidade Corporativa pela Comissão Europeia (2021) em abril de 2021 representa mais um marco no caminho para a sustentabilidade ambiental das empresas. Espera-se que os crescentes requisitos de divulgação obriguem as organizações a mudar. 

A sustentabilidade tem se tornado cada vez mais importante nas políticas públicas, nas preocupações dos consumidores e entre os investidores e no mercado de capitais. 

Um número crescente de empresas está incorporando questões de sustentabilidade em suas decisões de investimento, refletindo as preocupações de seus acionistas e clientes. Este tipo de empresa tem atraído atenção crescente dos investidores. 

Alguns dos maiores investidores institucionais do mundo integram a sustentabilidade em seus processos de decisão de investimento. 

Por exemplo, a BlackRock, a maior empresa de gestão de ativos do mundo, afirmou que a sustentabilidade seria o novo padrão para investir, construir carteiras e gerenciar risco pelas empresas (BlackRock, 2020 ). O mercado oferece muitos fundos sustentáveis ​​cujo crescimento ultrapassou o dos fundos tradicionais.

A definição de sustentabilidade apresentada no fundamental Relatório Brundtland da ONU (1987) foi baseada na “capacidade das empresas de responder às suas necessidades financeiras de curto prazo sem comprometer a sua capacidade (ou de terceiros) de atender às suas necessidades futuras” 

Reconheceu a necessidade de gerir os recursos, dando a devida consideração tanto ao presente como ao futuro e conferindo a devida importância a todas as partes interessadas. Posteriormente, Elkington (1994) apresentou uma abordagem integrada – o “triple-bottom line” – que incorpora dimensões econômicas, ambientais e sociais a este conceito .

Mais recentemente, e refletindo o interesse dos mercados e investidores, classificações de sustentabilidade específicas surgiram em linha com esta abordagem: as empresas foram avaliadas em critérios ambientais, sociais e de governança (ESG), dando origem a uma classificação de sustentabilidade global ( Porter et al., 2019 ).

As pontuações ESG são usadas para medir o desempenho de sustentabilidade das empresas, medido nas dimensões ambiental (E), social (S) e governança (G); ao fazer isso, o ESG captura o engajamento das empresas na RSC. 

A ligação entre ESG e RSC está documentada na literatura. Por exemplo, em um artigo recente, as empresas usam práticas ESG para melhorar o desempenho financeiro, reduzindo o impacto negativo das controvérsias corporativas.

Existem várias agências de classificação ESG diferentes, que calculam e publicam essas classificações com base nas informações relatadas nos três pilares (por exemplo, Avaliação de Sustentabilidade Corporativa RobecoSAM, Avaliações de Risco ESG da Sustainalytics, MSCI Classificações ESG, Bloomberg ESG Disclosure Scores, FTSE Russell’s ESG Ratings, Thomson Reuters ESG Scores). 

A motivação mais frequente para o uso de dados ESG pelos profissionais é sua relevância para o desempenho e avaliação do investimento, seguido pela demanda da clientela, estratégia de fundos e considerações éticas. 

O que é importante levar em conta:

Características pessoais dos gestores, a comunicação das estratégias das empresas, tamanho da empresa e se eles estão listados publicamente, comportamento de evasão fiscal e características em nível de país e região.

A Eccaplan Consultoria em Sustentabilidade, desenvolveu os programas de ação e educação contra as mudanças climáticas, Programa de Gestão de Resíduos Sou Resíduo Zero, Programa Evento Neutro, CO2 Neutro e o Frete Neutro. Estes programas consistem em quantificar e compensar o impacto ambiental de empresas, produtos, shows, feiras, eventos corporativos, entre outros.

Todos esses projetos apoiam Projetos Ambientais e Sociais, certificados conforme metodologias definidas pelo Protocolo de Kyoto.

Se quiser saber mais sobre o assunto, entre em contato e entenda como podemos te ajudar. 

Carbono Zero

Conteúdo:

Me Thays do Nascimento

Marketing Eccaplan

thays@eccaplan.com.br

Fontes:

Barros, V., Matos, P. V., Sarmento, J. M., & Vieira, P. R. (2021). M&A activity as a driver for better ESG performance. Technological Forecasting and Social Change, 121338.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. California management review, 36(2), 90-100.

European Commission 2021, European Commission. Proposal For a Corporate Sustainability Reporting Directive. 2021/0104 (COM) European Commission, Brussels (2021)

Acordo alemanha Amazônia Aquecimento Global Bicicleta Brasil Carbono Ciclovia Clima CO2 COP21 Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Efeito Estufa Emissões Emissões de GEE Energia Energia Eólica energia limpa Energia Renovável Energia Solar GEE Iniciativa Inovação inventário de emissões Lixo Meio Ambiente Mobilidade Mudanças Climáticas Mundo neutralização de carbono Noticias Notícia ODS ONU Poluição Reciclagem Rio de Janeiro sustentabilidade São Paulo Tecnologia Telhado Verde Transporte Sustentável Água Árvores